Você sabe se comunicar? Ano 23 :: Edição Nº 279 :: Junho.2018 Por PSICÓLOGA JANES JAUER . CRP 07/23979
CLÍNICA SAÚDE VITAL . (51) 3049.2569

Culturalmente aprendemos que é mais fácil julgar, criticar, comparar e rotular os comportamentos dos outros, em vez de expressar nossos próprios sentimentos e necessidades. Por exemplo, se meu colega de trabalho é mais detalhista do que eu, ele é “cricri ou compulsivo”, mas se sou eu que dou mais atenção aos detalhes, ele é “desorganizado ou desinteressado”.

Quando olhamos para o mundo e para as pessoas dessa forma, tendemos a nos expressar de forma não-assertiva e/ou agressiva. Com a comunicação agressiva até podemos atingir nossos objetivos mais imediatos, porém, a longo prazo os resultados são sempre negativos, gerando tensão ou afastamento dos relacionamentos interpessoais.
Tá, mas quando alguém é verbalmente agressivo comigo não posso simplesmente ser passivo, devo responder na mesma moeda, certo? Errado!

Como tudo na vida, os extremos são perigosos. Por isso, é saudável procurar por um equilíbrio, que nesse caso é aprender a se comunicar assertivamente. A mensagem básica da Assertividade é o respeito pelos direitos. Respeito por si mesmo, isto é, expressar as necessidades próprias e defender os próprios direitos, e o respeito aos direitos e às necessidades da outra pessoa.

A comunicação assertiva requer: 1) observar sem julgar - descrevemos a situação simplesmente como aconteceu e não como interpretamos; 2) expressar os pensamentos e sentimentos sobre tal situação, e; 3) negociar uma mudança - estar consciente das necessidades próprias e do outro, chegando num resultado que as necessidades de ambos sejam contempladas.

Comunicar-se assertivamente ajuda a resolver e evitar conflitos, melhora as relações interpessoais e traz maior satisfação pessoal.